ZILVINAS KEMPINAS

Plunge, Lituânia, 1969. Vive e trabalha Nova Iorque, EUA

Zilvinas Kempinas_Judita Grigelyté.jpg

Zilvinas Kempinas é uma referência mundial em arte cinética. Kempinas emprega materiais não tradicionais nas suas instalações imersivas, tais como a fita magnética desenrolada. O artista explora profundamente as propriedades físicas deste material, a sua leveza, mobilidade e transparência, jogando também com as qualidades gráficas da fita magnética, sua cor, textura e caráter refletor.

As suas grandes instalações frequentemente ocupam a área de exibição por inteiro criando um universo misterioso e poético onde o espectador é submergido. Ao jogar com escala e com a dualidade da percepção, tal como ao experimentar as possibilidades de movimento, as obras de Kempinas abordaram a experiência física e óptica do espectador, a passagem do tempo e a percepção do corpo e da arquitetura.

Apesar da forma lúdica em que são apresentadas, suas obras estão cheias de simbolismo, seja através do simples uso de formas como o círculo ou a alusão ao infinito. O artista foi representante do seu país na 53ª Bienal de Veneza e vencedor do Prémio Calder.

Seu trabalho faz parte das coleções tais como: Centre Pompidou, Paris, França; Coleção Julia Stoschek, Alemanha; Jumex, México; MUDAM, Musee d'Art Moderne Grand-Duc Jean, Luxemburgo; National Gallery of Victoria, Melbourne, Austrália; National Gallery of Canada, Ottawa, Canadá; The Margulies Collection at the Warehouse, EUA, entre outras.

OBRAS